Subjetividades e sujeições no fascismo tropical?

Tipo de recurso
Autores/contribuidores
Título
Subjetividades e sujeições no fascismo tropical?
Resumo
O artigo se propõe a cartografar as linhas de força que compõem a atualidade de nosso fascismo tropical. Assombrados pela dimensão extrema e radical de violência desejante que se apossou da macro e da micropolítica em nosso país em anos recentes, nos interessa atravessar e compreender essa experiência de passagem – suas condições de possibilidade, suas modulações, suas lógicas. Todavia, eticamente, acreditamos que não é possível estancar nessas detecções: é preciso também mapear e criar brechas de resistência subjetivante que ainda e sempre habita nosso campo de possíveis e nosso plano de impossíveis para que, com elas, possamos paradoxalmente reinventar um país que nunca existiu.
Título da publicação
Mnemosine
Volume
18
Edição
2
Páginas
7-23
Data
10-11-2022
Abreviatura do periódico
Mnemosine
Idioma
Português
ISSN
1809-8894
Data de acesso
29/09/2023 12:01
Catálogo de biblioteca
DOI.org (Crossref)
Citation 'apa'
Mizoguchi, D. H., Ferreira, M., & Barros, M. E. B. de. (2022). Subjetividades e sujeições no fascismo tropical? Mnemosine, 18(2), 7–23. https://doi.org/10.12957/mnemosine.2022.70839
Citation 'abnt'
MIZOGUCHI, D. H.; FERREIRA, M.; BARROS, M. E. B. DE. Subjetividades e sujeições no fascismo tropical? Mnemosine, v. 18, n. 2, p. 7–23, 11 out. 2022.